(45) 3277 2722 // 3252 5991
Avenida Egydio Geronymo Munaretto, 3601
Jd. Panorama - CEP 85910-320 - Toledo - PR

As altas temperaturas causam diversos problemas na atividade da vaca leiteira. Elas ficam estressadas por causa do calor e reduzem o consumo de pasto e ração. A consequência é a baixa produção de leite juntamente com a redução das taxas de prenhez.

O desempenho produtivo e reprodutivo destes animais diminui consideravelmente, principalmente durante o verão, quando a temperatura ambiente e a umidade relativa do ar atingem o pico.

Os fatores ambientais aliados à produção de calor metabólico do animal reduzem sua capacidade de eliminar o calor corporal, resultando em uma condição conhecida como estresse calórico. O animal fica comprometido levando a uma série de alterações fisiológicas e de comportamento com a finalidade de manter o balanço térmico e as suas funções orgânicas.

As vacas leiteiras respondem ao estresse de calor de várias maneiras: reduzindo o consumo de alimento, alterando a taxa metabólica e os requerimentos para mantença, aumentando a taxa respiratória, alterando a concentração de hormônios circulantes e aumentando a temperatura corporal.

Tudo isso resulta em redução na produção de leite, baixas taxas de concepção e atraso no crescimento de animais de reposição, ocasionando perdas econômicas significativas para o produtor.

Diversas modificações físicas do ambiente podem ser utilizadas com a finalidade de reduzir os efeitos do calor sobre o animal, proporcionando um ambiente que contribua para a alta eficiência de produção. Dentre elas, o sombreamento (natural ou artificial), ventilação (natural ou forçada) e resfriamento evaporativo.

A relação custo/benefício dessas medidas deve ser analisada antes de sua utilização.